Ashley Madison | 4 mil brasileiros entraram em app de traição na pandemia

Pelo menos 4.226 pessoas estão dividindo o mesmo teto com alguém sem suspeitar que, a qualquer momento, poderão ser traídas. Isso porque esse é o número de brasileiros que se inscreveu no site e aplicativo de relacionamentos ashley madison — recomendado para quem está atrás de relações extraconjugais — em um levantamento de 21 de março a 1º de julho.

De acordo com a empresa, durante a pandemia foram registrados 17 mil novos usuários diários, globalmente. A vontade de pular a cerca é maior nos Estados Unidos, mas os brasileiros vêm logo atrás, seguido dos usuários no Canadá.

ashley madison e o uso na pandemia

Estar mais próximo do parceiro oficial, por conta do isolamento social, nem de longe desestimula a procura pela traição conjugal. Segundo pesquisa promovida pelo aplicativo, inclusive, para a maioria dos usuários do app quer ter “algo para esperar” assim que o afrouxamento da quarentena for possível.

Para a sexóloga colunista de Universa Ana Canosa, a traição construída virtualmente — durante a pandemia de coronavírus, vale dizer — tem uma motivação diferente das que acontecem “na vida real”. “Usar o aplicativo é uma coisa bem pensada por alguém, não algo que simplesmente aconteceu na vida”, comenta.

O uso sigiloso é ensinado pela própria plataforma: é recomendado criar uma nova conta de e-mail para vinculá-lo ao serviço, ser cauteloso para dividir informações pessoais com quem conversar pelo aplicativo. A emprensa recomenda abrir o site em abas anônimas de navegação e deletar o histórico de sites do computador.

Para mulheres procurando homens, a plataforma é gratuita. Mulheres procurando mulheres e homens procurando mulheres podem se inscrever de maneira gratuita como membros convidados para conhecer o site, mas precisam comprar pacotes de créditos para outros usos. O pagamento também é lançado no cartão de crédito sem identificar o fornecedor.

O aplicativo, que já enfrentou polêmicas pela exposição de dados dos usuários e ataque hacker no passado, explica agora aos usuários que, em 2017, obteve a certificação de ‘Privacidade por Projeto’ que contempla “tecnologias de informação, infraestrutura em rede e práticas comerciais, atingindo assim o nível de proteção mais robusto possível”. Ele está disponível para Android, iOS e no site.

 

Read More